sexta-feira, 3 de junho de 2016

LOGAN’S RUN – O REMAKE QUE NUNCA SAI !!!


Para muitos fãs, o filme “Logan’s Run” (1976) é um clássico do cinema distópico dos anos 70, cujo sucesso levou a criação de um seriado baseado no filme com algumas modificações, mas de curta duração, igualmente cult. Baseado em um livro lançado em 1967, por William F. Nolan e George Clayton Johnson, o filme é uma ficção-científica, situada no ano de 2274, na qual a humanidade foi dizimada e os sobreviventes se fecharam em uma cidade cupular. Para manter o balanço populacional, os computadores que controlam o lugar decretaram que as pessoas devem morrer quando atingirem a idade de 30 anos (21 anos no livro original). Aqueles que tentam viver além deste limite são exterminados pelos sandman, espécies de policiais. Um deles, Logan, recebe a missão de encontrar o “santuário”, que é o local onde os fugitivos da cidade se escondem. Em sua busca, Logan começa a questionar o sistema e muda de lado quando descobre que existe vida além do que o fizeram acreditar. Para piorar, ele tem 29 anos e está próximo de sua sentença de morte. Filme foi vencedor do Oscar de melhor Efeitos Especiais em 1977, além de ser o melhor filme de ficção científica no mesmo ano pelo Saturn Awards, ganhando mais 6 indicações. No elenco Michael York, Jenny Agutter, Farrah Fawcett e a participação especial de Peter Ustinov.

Jenny Agutter(Jessica 6) e Michael York(Logan 5)


O seriado baseado no filme foi lançado em 1977 até 1978, e teve apenas 14 episódios, não se completando nem uma temporada completa. No elenco Gregory Harrison, Heather Menzies e Donald Moffat. Exibido originalmente pela rede CBS e transmitido no Brasil nos anos 70 e 80 pela Rede Bandeirantes de TV.

Seriado dos anos 70 "Logan's Run - Fuga das Estrelas"
 Donald Moffat, Heather Menzie e Gregory Harrison

A ideia de sociedades distópicos está muito em moda hoje em dia, com filmes de franquias como "Jogos Vorazes", "Maze Runner" e "Divergente", e é claro, a possibilidade de se fazer um remake de Logan's Run, nos dias atuais, são grandes, mas o que tem gerado muita dor de cabeça na Warner Bros a quase 30 anos, que eles tentam tirar o projeto da gaveta e desenvolver o mesmo para que seja um sucesso. Muitos fãs, apesar de concordarem que o filme original é cult, acham boa a ideia de remake, pelo fato do filme de 1976, ter envelhecido muito mau, com todo aquele visual totalmente superado de uma comunidade shopping-center. Em verdade, várias cenas do filme, foram filmadas dentro de um shopping center moderno dos anos 70.

O remake começou a ser planejado inicialmente pela Warner Bros, em meados dos anos 90 (1995 ou 1996). Sem um roteiro satisfatório e sem um elenco definido, o projeto foi levado a banho-maria até chegada do novo milênio.

Por volta de 2000, o projeto do remake foi passado pela Warner para um dos seus produtores mais criativos, Joel Silver (responsável pela cine-série Duro de Matar, Máquina Mortífera e Matrix). Silver contratou o diretor e roteirista Skip Woods para desenvolver o filme. Woods, chegou a conversar pessoalmente com o escritor William F. Nolan, para o desenvolvimento da ideia do novo filme. Segundo o próprio Nolan em entrevista, Woods (um grande fã do livro original) iria desenvolver o filme muito mais próximo ao romance original escrito por William F. Nolan. Entre as ideias que estariam no remake e que foram deixadas de fora do filme original estaria retornar a idade limite para 21 anos, os aspectos positivistas do livro, mostrando a degradação da sociedade ao longo do tempo, um Santuário real para Jessica e Logan, apresentar a "homer", a bala destruidora de nervos que acertava as vítimas através do calor do corpo, Crazy Horse, o mundo subterrâno, substituir a cidade domo por um complexo high-tech, igual descrita no livro. Todas idéias deixadas de fora pelos estúdios MGM, quando desenvolveu o filme original de 1976. Woods foi convidado por Silver não apenas para roteirizar o novo filme, mas também dirigir. Se esperava que a produção chegasse ao cinema em 2002.

O certo é que Skip Woods, começou a receber e desenvolver outros trabalhos também. Em 2001, ele lançou "A Senha - Swordfish", e depois passou a trabalhar nos roteiros para a saga X-Men e Duro de Matar no cinema.

Em 2001, Woods, falou que havia terminado o primeiro esboço do roteiro, para ser apresentado aos executivos da Warner. Pelo visto a Warner não deve ter gostado.

Em 2002, a Warner Bros adiou o lançamento do filme para 2004!

Em2003, começam a surgir rumores de que o projeto do remake estaria passando para outra pessoa, o diretor Bryan Singer da cine-série X-Men. Woods poderia ter seu roteiro rejeitado.


Em Março de 2004, a Warner e o produtor Joel Silver confirmam que Bryan Singer foi contratado para desenvolver o novo remake de Logan's Run. Singer iria reduzir a idade-limite para 21 anos, que é a usada no livro original, escrito por William F. Nolan e George Clayton Johnson. Por isso, esperava-se um jovem ator para interpretar o protagonista. Rumores falavam em Matt Damon. O roteiro seria escrito por Singer, em parceria com os iniciantes Ethan Gross e Paul Todisco.Com isto o projeto desenvolvido por Wood foi rejeitado.

 “Eu fui atraído por X-Men por causa de suas questões universais de tolerância. [Logan’s Run] lida com uma sociedade utópica, mas também com a obsessão de juventude e mortalidade”, disse o cineasta à Variety.

Joel Silver (Matrix) produz o projeto para Warner Bros. e explica porque Singer foi escolhido: “O livro contém uma grande idéia para um filme e Bryan encontrou um jeito de voltar a ele e usar suas habilidades técnicas para fazer um grande longa de aventura e ficção-científica”. Para trazer o mundo concebido por Nolan e Johnson para as telas, Singer vai contar com o estilo visual de Guy Dyas, seu designer de produção em X-Men e X-Men 2. A Warner remarcou o lançamento de Logan’s Run para 2005.



Em Junho de 2004 foi informado na imprensa que as filmagem de Logan’s Run, que já está com um estúdio em Vancouver esperando para receber a produção, iriam começar naquele ano. A reserva vai de setembro de 2004 até o mesmo mês em 2005. As gravações devem acabar em torno de abril, quando o local passa a ficar à disposição para Singer refazer algumas cenas, se for necessário.


Em Agosto de 2004, houve uma reviravolta. Bryan Singer teria adiado o início da produção de Logan's Run para dirigir "Superman - O Retorno".  A refilmagem deveria ficar pra depois desta produção. E rumores indicavam que  Henry Cavill (O Conde de Monte Cristo) no papel de Logan, o policial que se rebela contra o sistema. Coincidentemente, o ator também era apontado como o futuro Clark Kent(o que realmente aconteceu apenas no outro filme do Superman anos depois).


Em Fevereiro de 2005, conversando com o site About.com, o produtor Joel Silver revelou que Bryan Singer chamou seu parceiro em Os Suspeitos e vencedor do Oscar, Christopher McQuarrie, para reescrever o roteiro de Logan’s Run.  Segundo Silver, os dois estão trabalhando no script e a intenção é começar as gravações assim que Singer estiver liberado de Superman. Não há nenhuma novidade sobre o elenco. O lançamento foi remarcado para 2007, durante o verão americano (entre maio e agosto).

Em Março de 2005,de acordo com o site Dark Horizons, o ator Nicolas Cage anda dando dicas de que pode estrelar a refilmagem de Logan’s Run. Ele iria conversar com o diretor Singer, sobre um futuro projeto com ele . Ele disse em uma rádio australiana que era fã de Logan's Run, mas não especificou que projeto futuro iria trabalhar com Singer, que começaria as filmagens de Logan's run assim que terminasse o filme do Superman.

Em maio de 2006, segundo a Variety, Singer poderia deixar a produção de Logan's Run , pois a Warner Bros. quer dar início às filmagens do remake no segundo semestre, o que deixaria Singer com pouco tempo para descansar de seu trabalho em Superman – O Retorno. As coisas se complicam ainda mais se o filme do Homem de Aço corresponder às expectativas e estourar nas bilheterias: a Warner planeja fazer a continuação em 2007, novamente com Singer na direção. Assim, o cineasta estaria se dedicando a três grandes produções consecutivas, sem dúvidas, uma tarefa estafante. Se não for dirigir, Bryan Singer ficará como produtor. De acordo com rumores, quem pode comandar o filme em seu lugar é James McTeigue, que estreou na função este ano com V de Vingança.

Em junho de 2006, Bryan Singer confirmou ao Dark Horizons que não dirigirá a refilmagem de Fuga do século 23 (Logan´s Run, 1976). Pelo menos não agora. É provável que a Warner deixe o filme para outro diretor, já que deve poupar Singer para a continuação de Superman... mas isso vai depender da bilheteria e da decisão do cineasta assumir ou não o projeto. "No momento quero descansar a cabeça", disse. "Fazer Superman foi um stress monumental e agora tenho uma longa turnê promocional dele pela frente - algo que estou empolgado em fazer já que me orgulho muito do resultado. Eu gostaria de fazer Logan´s Run no futuro, mas ele também será gigantesco, então prefiro descansar".

Em maio de 2007, o diretor de comerciais Joe Kosinski pode ser o substituto de Bryan Singer no comando da ficção-científica Logan`s Run, segundo informou o site IESB. Singer se desligou da função porque existiam conflitos entre a sua agenda e a do projeto. Ainda de acordo com a fonte, o produtor Joel Silver quer que Jayson Rothwell (Segundo em Comando) e Travis Beacham (Dog Days of Summer) escrevam o roteiro da produção.

Em julho de 2007, novo problema para a Warner. O produtor do filme, Joel Silver, falou ao SciFi Wire que não conseguiu achar ainda um nome para o lugar de Singer. Joseph Kosinski e James McTeigue (V de Vingança) haviam sido cotados, mas não fecharam contrato. Desde a saída de Bryan Singer, a Warner Bros. já procurava um substituto, mas a procura não tem rendido bem.

Em agosto de 2007, a Warner anunciou que fechou com Joseph Kosinski, substituindo Bryan Singer, que agora não deverá ter qualquer ligação com o projeto.  O roteiro foi reescrito por Tim Sexton (Filhos da Esperança). Segundo o The Hollywood Reporter, a nova versão será mais fiel ao livro do que o longa de 1976, focalizando temas como o “bem maior” e pessoas que se devotam cegamente a uma ideologia. Os conceitos dos fugitivos, do Santuário e das gangues fora do sistema foram mantidos. O filme usará uma cenário futurista, mas a ambientação não terá aspectos de alta-tecnologia.
Não foi divulgada a previsão para o início das filmagens, mas, como Kosinski não tem outros projetos em vista, ao contrário de Singer, a produção não deve demorar tanto para começar agora.
O diretor estreante (que antes só havia feito comerciais para empresas como Nike, Apple e Nintendo) conseguiu o emprego depois de apresentar aos executivos da Warner uma pré-visualização com seqüências animadas, mostrando o estilo que ele pretende usar no longa.

Em Janeior de 2009, más notícias para os fãs do longa Logan`s Run, que esperavam ansiosamente pela refilmagem. Em uma entrevista ao jornal Los Angeles Times, o diretor Bryan Singer revelou que o remake pode não acontecer nunca. Ele declarou que neste momento está dando uma pausa depois de quatro anos envolvido em minisséries, televisão e cinema e que não pensa em retomar a refilmagem depois de todo trabalho que já fez envolvendo o longa. "Só iria retomar o trabalho se estivesse completamente comprometido com ele", declarou Synger.

A contratação de Kosinski não avançou no projeto pois se comprometeu na realização da sequência de Tron. A fonte chegou a entrar em contato com Silver, que não deu nenhuma resposta definitiva sobre o projeto


Em Março de 2010, uma década completada, a refilmagem de Fuga do Século 23 (Logan's Run, 1976) que Bryan Singer originalmente dirigiria, e depois passou pelas mãos de Joseph Kosinski, está trocando de diretor de novo. Carl Erik Rinsch, genro e protegido de Ridley Scott, negocia para pegar o remake. Conhecido por seus comerciais Rinsch já teve seu nome associado ao prelúdio de Alien, ao remake de O Monstro da Lagoa Negra e X-Men: First Class. A ideia é começar Fuga do Século 23 assim que Rinsch rodar o filme de samurai 47 Ronin para a Universal. O roteiro do remake é de Tim Sexton.

Em Junho de 2010, projeto agora acha um novo roteirista. Segundo o Hollywood Reporter, Alex Garland, conhecido por escrever os filmes de Danny Boyle, como Extermínio e Sunshine - Alerta Solar, escreverá o novo Logan's Run. A ideia é deixar o filme de 1976 de lado e voltar ao material original, o romance de William F. Noland e George Clayton Johnson.

Em Novembro de 2010, diretor sai do projeto. E agora o filme volta à pauta para anunciarmos o desligamento de Rinsch do projeto. O diretor de comerciais cobiçado por Hollywood depois de fazer o curta-metragem The Gift abandona o remake da Warner Bros. para tocar 47 Ronin para a Universal, que está em estágio mais avançado - o projeto já tem uma data de estreia (21 de novembro de 2012) e artes conceituais prontas, além de Keanu Reeves contratado para protagonizar o épico baseado em uma história do Japão do século 18 em que um grupo de samurais vinga a morte de seu mestre.
A ideia inicial era mesmo esperar Rinsch acabar 47 Ronin, mas os produtores Joel Silver e Akiva Goldsman se empolgaram com o roteiro de Alex Garland (Extermínio e Sunshine - Alerta Solar) e querem começar o quanto antes a rodar as câmeras. Bom, antes de mais nada vão ter que achar um novo diretor.


Fevereiro de 2011, a refilmagem de Fuga do Século 23 (Logan's Run, 1976), que já tinha passado pelas mãos de Bryan Singer, Robert Schwentke, Joseph Kosinski e Carl Erik Rinsch, ganhou um novo diretor: Nicolas Winding Refn, de Bronson e O Guerreiro Silencioso. Para protagonizar o filme, a Warner Bros. está finalizando negociações com Ryan Gosling, ator que trabalhou com Refn no longa mais recente do diretor dinamarquês, Drive, que chega aos cinemas dos EUA em 16 de setembro. As filmagens começariam entre setembro e outubro.


Outubro de 2011, o projeto do remake de Logan''s Run está se desenvolvendo há mais de uma década e já teve inúmeros diretores e roteiristas envolvidos. Mas, aparentemente, dessa vez o filme realmente parece estar acontecendo. O Hollywood Reporter anunciou hoje que um novo roteirista foi contratado para o longa. A Warner Bros. contratou o estreante Andrew Baldwin - que escreveu dois roteiros ainda não produzidos The West is Dead e Red Asphalt - para roteirizar o longa. O remake terá Nicolas Winding Refn na direção e Ryan Gosling como protagonista. Refn já disse em declaração anterior que não quer fazer um mero remake, e sim fazer uma nova história. Para ele, o problema que sempre impediu o projeto de sair do papel foi justamente a tentativa de fazer um mero remake. Segundo o cineasta, o filme de 1976 está datado, no sentido de que tudo que ele mostra ter virado realidade. Sua proposta é utilizar o conceito original (uma sociedade em que não se pode viver além de determinada idade) e repensar tudo a partir daí. A dupla Refn e Gosling também estão juntos em Drive, que chega aos cinemas em janeiro de 2012, e em Only God Forgives, que se passa na Tailândia e deve começar a ser filmado ainda neste ano.


Outubro de 2012, nova perda da produção. Ryan Gosling estrelaria, repetindo a parceria de Drive e do inédito Only God Forgives, acaba de perder o protagonista. Segundo a Variety, Gosling está deixando o projeto, sem especificar uma razão. Por enquanto, Refn continua ligado ao filme da Warner Bros. Ainda não há data para o início das filmagens.


Em Junho de 2013, Ken Levine, criador do game Bioshock,  foi contratado para  escrever o roteiro do remake de Fuga do Século 23 (Logan's Run, 1976). Nicolas Winding Refn (Drive, Only God Forgives) continua ligado à direção do longa, de acordo com o Deadline.

Em outubro de 2013, falando ao site CINEMABLENDI, o diretor Nicolas Winding Refn, falando em uma entrevista, disse que seu projeto para a refilmagem de "Logan's Run" está morto ! Mas não confirmou seu desligamento do projeto. E falando ao site INDIEWIRE, ele disse que pulou fora do projeto por não ter controle total sobre a obra, em uma mega produção de estúdio.

Em abril de 2014, o desenhista de produção Ed Natividad, que trabalhou no projeto junto com o diretor Joseph Kosinski por volta de 2007, revelou algumas artes conceituais para o remake que acabou não avançando, pois Kosinski deu atenção aos projetos Tron:Legacy e Oblivion, que Natividad também trabalhou. Nas artes reveladas, podemos ver como seria o visual dos veículos de perseguição dos sandmans, que seriam usados no filme.

Arte conceitual não usada no filme que seria dirigido por Joseph Kosinski



Em abril de 2015, segundo o Tracking Board, o roteiro da nova versão está sendo refeito para incluir uma protagonista feminina no lugar de Logan. Feito originalmente por Michael York, o personagem seria vivido por Ryan Gosling, que abandonou o projeto do remake. Ken Levine, criador do game ‘BioShock’, assinou a última versão do script. Nicolas Winding Refn, que dirigiu Gosling em ‘Drive’, estaria ainda cotado para assumir o filme, mas o mesmo disse anteriormente que  o filme estava morto !


Em julho de 2015, Simon Kinberg, o roteirista de ‘X-Men: Dias de um Futuro Esquecido‘ e do reboot de ‘Quarteto Fantástico‘, assinou contrato com a Warner Bros. para escrever a história do filme. Ele trabalhará em cima do texto de Ken Levine, criador do game ‘BioShock’, que assinou a última versão do script.  Segundo o Hollywood Reporter, Kinberg também será produtor do filme, ao lado de Joel Silver (‘Duro de Matar’). O roteiro da nova versão está sendo refeito para incluir uma protagonista feminina no lugar de Logan. Feito originalmente por Michael York, o personagem seria vivido por Ryan Gosling no remake. Uma atriz deve ser escalada em breve.

Em novembro de 2015, em entrevista ao site Collider, o roteirista Simon Kinberg, disse que a Warner pensa no potencial de Logan's Run para iniciar uma nova franquia nos moldes de "Jogos Vorazes". Kinberg confirmou que o estúdio estava em conversa com vários diretores para assumir o projeto após o abandono de Nicolas Winding Refn. E trata o filme como prioridade. Perguntado se seu roteiro materia alguma coisa do original, ele respondeu que ama o original que a recriação daquele universo manterá muita coisa nele com uma nova reenterpretação.


Em junho de 2016, Ryan Condal, showrunner de ‘Colony‘, é o mais novo contratado da Warner para desenvolver a versão final do roteiro de ‘Fuga no Século 23‘. Ele vai trabalhar em cima do roteiro inicialmente desenvolvido por Simon Kinberg (‘X-Men’). Apesar de não assinar mais o roteiro, Kinberg virá como produtor executivo.


E assim, fica todo este lenga-lenga, disse me disse e parece que não existe uma luz no final do tunel para a produção começar. Vamos atualizar novas informações assim que possível. Então visitem sempre!

Atualizado em 03 Junho/2016


Fonte: cinema em cena / CinePop / Omelete

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

MELISSA MATHISON (1950 - 2015) - A MÃE DO E.T. !!!


Melissa Mathison ( 1950 - 2015 )



Se o cineasta norte-americano, Steven Spielberg, é o pai de "E.T. - O Extra-Terrestre", então podemos dizer que a roterista que escreveu o filme, Melissa Mathison, era a mãe da criatura que encantou o mundo em 1982, e que se tornou por um tempo a maior bilheteria da história do cinema. Infelizmente no último dia 04 de Novembro, ela faleceu depois de uma longa batalha contra o cancer, aos 65 anos de idade.

Melissa nasceu em Los Angeles, California, Estados Unidos em 03 de Junho de 1950. Seu pai, Richard Randolph Mathison, foi um importante jornalista e chegou a ser diretor-chefe do jornal Newsweek, sua mãe, Margaret Jean (née Kieffer) Mathison, também foi uma escritora ligada a gastronomia. Após o segundo grau, entrou para a University of California, Berkeley e como sua família era amiga do cineasta Francis Ford Coppola, Melissa chegou a ser baba dos filhos dele. Foi Coppola que deu a Melissa Mathison seu primeiro emprego no cinema, ao ser contratada como assistente de produção do filme "O Poderoso Chefão - Parte 2" (1974), que a forçou a abandonar a faculdade por um período.


Melissa Mathison com o ator Henry Thomas durante as filmagens de "E.T. o Extra -Terrestre" (1982)

Foi também Coppola que a encorajou a desenvolver o roteiro do filme "O Corcel Negro" (1979), filme que fez um relativo sucesso na época e mostrava a história de um jovem naugrafo e um cavalo e que teve o próprio Coppola como produtor. O filme chamou a atenção do jovem cineasta Steven Spielberg que convidou Melissa para escrever uma estória sobre extra-terrestres. Nascia ai o filme: "E.T. - O Extra-Terrestre" (1982), o nome original do projeto era "A Boy’s Life". O filme foi escrito por Melissa com ajuda das ideias de Spielberg, durante as filmagens de "Caçadores da Arca Perdida", na qual a roteirista acompanhou a produção, devido a seu envolvimento romántico com o ator Harrison Ford. "E.T." foi um grande sucesso de bilheterias dos anos 80 sendo indicado a 8 Oscares ganhando 4 estatuetas, na maioria prêmios tecnicos, mas deu a Melissa a oportunidade de ganhar uma indicação por melhor roteiro, o que acabou sendo a única da carreira. Não só ao Oscar, mas nomeações também para o Bafta e o Golden Globe.

O diretor Spielberg com Melissa fazendo ponta como enfermeira de uma cena cortada do filme "E.T. - O Extra-Terrestre"
Escrito ao longo de oito semanas, seu roteiro tinha um ouvido apurado para os padrões de fala das crianças, bem como um modo totalmente desconhecido de comunicação para o seu visitante benevolente. Linhas Gnomic como "E.T. telefona casa "ou" Seja bom ", se tornaria mais tarde incorporado a cultura popular, passadas para outras franquias que variam de Os Simpsons ou Shrek. Mathison também esboçou aparição de ET em detalhes, descrevendo seus longos braços finos, pescoço telescópico e o coração que iluminavam em momentos dramáticos.

Spielberg, Melissa e o ator Harrison Ford durante as filmagens de "Caçadores da Arca Perdida"(1981).
 
Spielberg lembra durante as filmagens de "Caçadores" do envolvimento de Melissa: " Eram quase 50°C (deserto da Tunísia), e todo mundo estava infeliz e olhando para terminar essa parte do filme. Quando eu descobri que ela era a pessoa que escreveu "O Corcel Negro ", eu imediatamente pensei que ela seria a pessoa certa para escrever esta história que eu estava chutando por anos. Assim, entre as cenas de filmagem, nós fazemos longas caminhadas e eu ia tentando convencê-la a escrever 'ET', e ela tentou-me convencer de que não era a escritora certa para isto.Então tentei conversar Harrison Ford, que a namorava na época, para incentivar Melissa a escrever o filme, e ela então aceitou. "

"Eu não escrevi o roteiro; ela fez isto, mas nós escrevemos a história juntos ", disse Spielberg. A frase 'E.T. Phone House’ era criação dela. Nós nem sequer falamos sobre isso. Acabei de ler o roteiro no primeiro esboço. Eu disse, 'Melissa, você está trabalhando para mim ou para a AT & T? ", E ela disse,' Se o filme funcionar, a frase estará indo para ficar. 'E ela estava certa." Ela recebeu uma indicação para o Oscar de melhor roteiro, mas o prêmio foi para John Briley por "Gandhi".

Melissa Mathison com então marido Harrison Ford durante premier do filme "E.T." em Londres (1982).


As origens extraterrestres de seu personagem principal, não obstante, Mathison considerava o script para ser uma obra de fantasia ao invés de ficção científica. As batidas emocionais de sua história - em especial, a relação entre os dois filhos e seu novo amigo - eram no foco o ar de realismo mágico refletido no visual do filme. "Nós queríamos que [a nave espacial] se parecesse com um enfeite de árvore de Natal", ela lembrou. "É enferrujada e bonita e simples e as criaturas dentro dela são pequenos jardineiros benevolentes".

"Eu sempre pensei em E.T. como alguem muito, muito velho, e Steven, eu acho, sempre pensava nele como jovem", a roteirista disse em entrevista ao The New York Times em 2002. " Nós estávamos lutando para conseguir idéias sobre responsabilidade, sobre o amor incondicional, sobre a desimportância da aparência e comunicação em um nível mais profundo. "

Depois de E.T., apesar de toda a fama ela nunca ficou confortável com o escrutínio da mídia. Demorou algum tempo para escrever novamente e raros roteiros. Em verdade, Spielberg encomendou pra ela um roteiro-rascunho de uma sequencia de E.T. que acabou não saindo.



Sua amizade com Steven Spielberg e o sucesso por E.T. a fez ser convidada pra desenvolver o segundo seguimento do filme "Twilight Zone: The Movie" (No Limite da Realidade) em 1983, na qual também foi direito pelo diretor e amigo.

Ela também escreveu os roteiros de "O pequeno mágico" (1982), "A Chave mágica" (1995) e Kundun (1997).
Harrison Ford, Dalai Lama e Melissa Mathison (1990).

Melissa Mathison conheceu o lider religioso budista, Dalai Lama em 1990, cuja amizade rendeu o roteiro para o desenvolvimento do filme "Kundun", filme dirigido por Martin Scorsese.

Outra curiosidade relacionada a Spielberg, foi Melissa quem apresentou a Spielberg ao primeiro álbum de Tintim que o cineasta teve contato. De acordo com a história que é contada, depois que o diretor lê uma crítica que compara seu primeiro "Indiana Jones" a um tal de "Tintin", fica curioso para saber do que se tratava. Melissa, então esposa de Harrison Ford, havia trabalhado como babá para uma família francesa, para ajudar a pagar seus estudos. Em contato com a família, ela consegue um dos álbuns assinados por Hergé, cuja obra é totalmente desconhecida nos Estados Unidos. Assim, Spielberg recebe de sua colega um exemplar em francês de "O Caranguejo das Pinças de Ouro". 

O contato de Spielberg com Tintim o levou a buscar os direitos de adaptação da obra, e uma reunião com Hergé foi agendada. Mas, como sabemos, o artista belga faleceu repentinamente, em 1983. O cineasta não desistiu e, após negociar com a viúva de Hergé, encomendou um roteiro para uma adaptação cinematográfica. Quem foi a responsável por escrevê-lo? Ninguém menos que Melissa Mathison. Entre 1984 e 1985, ela entregou um script em que Tintim enfrentaria comerciantes de marfim na África, aproximando a história do polêmico álbum "Tintim no Congo".

Steven Spielberg aprovou o roteiro, mas algo deu errado. "Por mais que eu tenha amado o roteiro de Melissa, eu não estava certo de que havíamos interpretado Hergé a um grau que seria palatável para os fãs raivosos ao redor do globo", disse ele ao THR, "e eu estava muito envolvido em outros filmes, então deixei a opção solta". Spielberg teria abandado o projeto para se dedicar a "Indiana Jones e a Última Cruzada". Segundo se conta, parte das ideias de Mathinson foram usadas no terceiro filme do arqueólogo aventureiro, estrelado por seu marido, Harrison Ford.

Apenas em 2011, Spielberg deu sequência ao seu projeto Tintim ao lançar o filme "As aventuras de TinTim".

Produtora Kathleen Kennedy, Steven Spielberg e Melissa Mathison na premier de E.T. (1982)
 
Recentemente, Melissa Mathison estava desenvolvendo outro roteiro para Spielberg, o projeto "O BFG", filme que será lançado em 2016, baseado no conto infantil de Roald Dahl, estrelado por Mark Rylance no papel-título de o grande gigante amigo que desenvolve uma amizade com uma menina. "Ela começou a trabalhar nele há cinco anos atrás, e tínhamos trabalhado juntos intensamente durante os últimos 24 meses", disse Spielberg. "Não apenas o script. Ela estava no set em Vancouver neste verão, para fazer alterações. Foi um processo fluido, e esse é o jeito que ela gostava. Ela gostava de epifanias. Ela gostava de me lançar algo que veio a ela em seu sono na noite anterior. O filme evoluiu da maneira que 'ET' fez. Melissa estava aberta a idéias espontâneas de todos. Ela era uma participante ativa e ela ficou com todos no projeto até o fim. Ela era mais do que uma escritora. Ela era mais como uma parceira. "

Em 1983, Melissa Mathison, casou oficialmente com o ator Harrison Ford, na época, já consagrado astro do cinema por filmes como a trilogia Star Wars, Blade Runner e Indiana Jones. O casal se divorciou em 2002 e tiveram dois filhos: o músico Malcolm Ford, 28, e a atriz Georgia Ford, 25. Ela vivia entre Venice, California e Manhattan.

Melissa Mathison e o diretor Steven Spielberg durante a reunião de 20 anos do filme "E.T." em 2002



Melissa esteve no Brasil em 1998, junto com o então marido Harrison Ford e seus filhos, para uma visita de Ford a uma instituição em Salvador, Bahia. A família também voou no próprio avião particular pilotado por Ford, para Bonito, no Mato Grosso do Sul em férias para conhecer a região do pantanal.

Com seu falecimento, vários de seus amigos famosos vieram a público expressar sua gradidão e lembrar da pessoa maravilhosa que Melissa Mathison era:

Falando para a TIME, o diretor Francis Ford Coppola se lembra dela como "uma bonita jovem magra, de 12 anos de idade, com um belo sorriso", "Ela era exuberante e cheia de diversão. Seu apelido para mim foi 'The Big Spaghetti'. Quando ela cresceu ela adorava escritores e escrita, sabia muito e lia muito, e ela estava ansiosa para aprender, embora um pouco tímida com relação às suas próprias habilidades. Senti que ela tinha talento e incentivei-a a tentar com 'O Corcel Negro'. Essa história de um menino e sua amizade com um cavalo tornou-se seu primeiro longa-metragem em 1979 e chamou a atenção de Steven Spielberg."

Steven Spielberg: "O Coração de incandescência do ET era, de fato, Melissa. Ela deu um coração que brilhou com generosidade e brilhou tão forte como o coração que ela deu a E.T.", “Melissa me entregou este rascunho de 107 páginas e eu li em cerca de uma hora. Foi um nocaute em mim. Era um roteiro que eu estava disposto a começar a filmar no dia seguinte. Era tão honesto e a voz de Melissa fez uma conexão direta com meu coração". "

O produtor Frank Marshall, apenas postou no twitter: "É um dia, muito, muito triste. Descance em Paz, Melissa !"




Fontes:







quinta-feira, 2 de julho de 2015

SIR CHRISTOPHER LEE (1922-2015) – O MONSTRO SAGRADO DO CINEMA E PATRICK MACNEE (1922-2015)

Dr.Watson(Macnee) e Sherlock Holmes(Lee) para a série "Sherlock Holmes - Golden Years"(1990)



  Faleceu no último dia 06 de Junho, um dos maiores atores britânicos e mundiais da história do cinema, Sir Christopher Lee, aos 93 anos de idade. O lendário ator, também era conhecido por emprestar sua voz para várias dublagems em cinema e TV e era fã de Heavy Metal a ponto de gravar várias músicas e álbuns nos últimos anos. Praticamente nunca aposentou e deixará um legado enorme nos dois séculos (se não dizer milênios, na qual pertenceu), talvéz por seu papel mais icônico, o Conde Dracula, na qual interpretou em filmes por quase 10 vezes!

Lee como Drácula seu personagem mais famoso

 Christopher Lee, nasceu em Londres, Reino Unido, era filho de um militar respeitado, o Coronel Geoffrey Trollope Lee, da 60°Divisão de fuzileiros Reais Britânicos e veterano da Guerra dos Boer, na Africa do Sul e da I Guerra Guerra Mundial. A mãe de Lee, era da aristocracia italiana. Quando seus pais se separaram sua mãe o mandou para uma escola na Suíça, onde Lee encenou seu primeiro papel de peso em uma peça: Rumpelstiltskin, antagonista do conto homônimo dos Irmãos Grimm.

Retornou a Inglaterra onde se interessou pela carreira de ator. Sua mãe se casou novamente com um banqueiro, que era tio do futuro escritor, Iam Fleming, o criador de 007-James Bond. Chegou a estudadar na aclamada escola de Eton.

Com a eclusão da II Guerra Mundial, primeiramente se voluntariou para lutar contra os soviéticos no conflito “Guerra de Inverno” ou “Guerra Soviético-Finlandesa” entre 1939 a 1940. E depois serviu o exército britânico na II Guerra, como oficial de inteligência da divisão de operações especiais da Grã-Bretanha. “Eu fiz parte do Serviço Aéreo Especial [SAS, na sigla original], mas nós somos proibidos – seja no passado, no presente ou no futuro – de falar sobre quaisquer operações específicas. Vamos dizer apenas que eu estava nas Forças Especiais e deixar por isso mesmo”, lembrou certa vez. Findo o conflito mundial, Lee ainda foi um agente caçador de nazistas. 

Como Scaramanga em "007 contra o Homem da Pistola de Ouro"
 
Lee retornou a atuação, sua grande paixão na vida. Apesar de seus primeiros trabalhos como ator terem sido feitos apartir da década de 40, seu sucesso só veio na década seguinte. O que fez totalizar em sua carreira um total de 8.3 bilhões de dólares, tornando-o um dos atores mais bem-sucedidos de Hollywood. Sua grande sorte, foi ter sido contratado pela produtora britânica HAMMER, especializada em filmes de terror e baixo orçamento, que hoje são clássicos cultuados por milhões de fãs em todo o mundo. Junto com o seu amigo pessoal e outra lenda da Sétima Arte, Peter Cushing (1913-1994), marcam o cinema com os filmes de terror que mudaram completamente o cenário da época já que aumentaram consideravelmente os padrões de sanguinolência e sensualidade.


Os Mestres do Terror : Christopher Lee, John Carradine, Peter Cushing e Vincent Price


Na Hammer Studios Lee realizou: “A Maldição de Frankenstein” (1957), o seu Drácula em “O Vampiro da Noite” (1958) e a “A Múmia” (1959). Ainda assim, seus mais de 1,95m de altura, acompanhados de seu semblante comprido e sua voz soturna e grave fizeram com que ele fosse praticamente natural para interpretar a maior variedade de monstros clássicos do terror, como por exemplo a criatura do Dr. Frankenstein, Conde Drácula e até mesmo a Múmia. Contracenava com Cushing, este muitas vezes atuando como seu inimigo na narrativa. Alias, foi com o personagem Dracula, que o fez mais conhecido no mundo inteiro, apesar de sempre negar ou gostar da personagem. Ele repetiu o papel de Drácula por 9 filmes entre os anos 50, 60 e 70. Continuou atuando em papéis fortes e de vilões em filmes como a série “Fu Manchu” (1965), uma versão de “O Médico e o Monstro” (1941) e diversos filmes de terror menores – incluindo um retorno, agora no cinema alemão, como Drácula. Sobre esses filmes menores, certa vez o ator comentou: “Todo ator tem que fazer filmes terríveis de vez em quando, mas o segredo é nunca ser terrível neles”.

SHERLOCK HOLMES

“Sherlock Holmes and the Deadly Necklace”(62)

Um dos maiores personagens da literatura policial, Sherlock Holmes, também foi bastante presente na vida de Christopher Lee. Em 1959, a Hammer Studios convidou Lee, para interpretar o atormentado Henry Baskerville, do romance “O Cão dos Baskerville”. Seu amigo Cushing fez Sherlock Holmes no filme. Este filme acabou se tornando o primeiro filme colorido de Sherlock Holmes no cinema. Lee e Cushing atuaram juntos em mais de 20 filmes realizados ou não na Hammer Studios.

Em 1962, finalmente Christopher Lee teve a chance de interpretar o famoso detetive no filme “Sherlock Holmes and the Deadly Necklace”,  uma produção filmada na Alemanha, em preto & branco com as vozes dos atores sendo dubladas em inglês. Em 1970 foi convidado pelo diretor Billy Wilder, para interpretar o irmão misterioso de Sherlock, Mycroft Holmes no filme  “A vida íntima de Sherlock Holmes”. Tornando-se talvés o único grande ator que interpretou três personagens diferentes no universo sherlockiano.

Para finalizar o já veterano ator ainda voltou a ser Sherlock Holmes, nas produções Sherlock Holmes the Golden Years, que originaram duas mini-séries da TV britânicas : “Sherlock Holmes: Assassinato na Ópera”(1991) e “Sherlock Holmes: O Incidente em Victoria Falls”(1992).

RECONHECIMENTO 

Lee, o diretor Steven Spielberg e o ator Toshiro Mifune nas filmes de "1941" (79)

 O reconhecimento a Christopher Lee aconteceu ao longo de quase toda sua carreira. Ele era o vilão preferido de Hollywood. Primo por afinidade, Iam Fleming,criador de James Bond o recomendou para viver o vilão do primeiro filme de 007, o “Satânico Dr. No” em 1962, mas os produtores já haviam escalado Joseph Wideman para o papel. Lee finalmente teve sua chance de interpretar um vilão de James Bond em 1974 com o assassino Francisco Scaramanga, em “007 contra o Homem com a Pistola de Ouro”(1974). E depois, vários diretores famosos passaram a convidar Lee para seus filmes.

Lee foi um vilão, junto com Betty Davies, que sequestra um casal de crianças extra-terrestres com poderes na produção da Disney, "A Volta da Montanha Enfeitiçada"(1978).

O diretor Steven Spielberg escalou Lee para o papel de nazista na paródia, “1941 – Uma Guerra muito Louca”(1979), ele repetiu o papel em uma sátira no programa Saturday Night Live naquele ano.

Gremlins 2 (90)
 
Joe Dante, também convidou o ator para o papel de um cientista maluco em “Gremlins 2” (1990), outra produção de Steven Spielberg.

George Lucas, não perdeu o bonde e também convidou o grande ator para interpretar o Conde Ottokar Graf Czerin, da Áustria no seriado “O Jovem Indiana Jones” (1992). Lucas também dirigiu Lee em duas oportunidades, quando ele foi chamado pra fazer o Conde Dukan, na saga Star Wars, no Episódio II -  O Ataque dos Clones(2002) e Episódio III – A Vingança do Sith(2005).

Lee com o diretor George Lucas durante as filmagens de um dos filmes da saga Star Wars
 
Peter Jackson não pensou em outra pessoa para ser Lord Saruman na trilogia do Senhor dos Aneis: A Sociedade do Anel (2001), As Duas Torres (2002) e O Retorno do Rei (2003) em sua versão extendida. Ele também voltou a ser chamado para ser Lord Saruman novamente, quando Jackson fez a trilogia The Hobbt, em dois filmes: Uma Jornada Inesperada (2012) e  A Batalha dos Cinco Exércitos  (2014). Todos eles campeões de bilheterias. Diga-se de passagem, foi o único ator a ter conhecido pessoalmente o escritor  J.R.R. Tolkien. Segundo o ator:  " [ Eu o conheci ] realmente muito por acaso , ", lembrou ele em uma entrevista. " Eu o conheci com um grupo de outras pessoas em um pub em Oxford que ele gostava de ir, "The Eagle and Child" . Fiquei muito admirado com ele, como você pode imaginar , então eu apenas disse, ' Como você faz ?' "

Diretor Peter Jackson com Lee durante as filmagens da trilogia "Senhor dos Aneis"
 
Ele ainda teve tempo para ser o Monsieur Labisse em "A Invenção de Hugo Cabret"(2011)  filme  dirigido por Martin Scorsese, vencedor de 5 Oscars tecnicos.

Lee com Tim Burton, que dirigiu o ator em várias de suas produções.

Mas talvéz seja o diretor Tim Burton, o que tenha mais trabalhado com Sir Lee. Foram 6 filmes ao todo. Sendo o primeiro  “A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça” (1999). A partir de então, Lee estaria presente em diversos títulos mundialmente famosos de Tim Burton, tais como: “A Fantástica Fábrica de Chocolate”(2005), como o assustador pai dentista de Willy Wonka, “A Noiva-Cadáver” (2005), como a voz do Pastor Galswells, “Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet” (2007), como o fantasma de uma das vítimas de Sweeney Todd ao lado de Anthony Stewart Head, que acabaram sendo cortados do filme (já que nenhum dos fantasmas fazia parte da obra original) e seriam responsáveis pela canção: “The Ballad of Sweeney Todd”,”Alice no País das Maravilhas” (2010), como a voz do Jabberwocky e “Sombras da Noite” (2012), como Bill Malloy.

Saruman - "Trilogia Senhor dos Aneis" e "The Hobbit"
 
O reconhecimento a arte de Sir Christopher Lee foi além do cinema ou TV, sua voz grave ainda foi emprestada em várias animações, curtas e desenhos. Ele também era convidado para dublar games como a série Kingdom Hearts. E até na música ele será lembrado. E por um genero que muitos sequer pensariam que ele pudesse cantar, o Heavy Metal.

Aproximando-se dos 90 anos, Sir Christopher Lee iniciou uma nova carreira como cantor de Heavy Metal, emprestando sua inconfundível voz grave a bandas como “Rhapsody of Fire”, “Inner Terrestrials” e “Manowar” antes de produzir seu material solo, que conta com dois álbuns conceituais sobre Carlos Magno e dois LPs de músicas natalinas com Metal.

Aos 91 anos, ele era não só o mais velho cantor de Heavy Metal vivo, mas também o mais velho músico a emplacar uma música na lista de mais vendidas da Billboard. Em 28/12/2013, a música “Jingle Hell”, integrante de seu single “A Heavy Metal Christmas Too” alcançou o 22º lugar nas paradas da Billboard Hot Singles Sales Chart. Quando informado do feito, Sir Christopher Lee disse: “Notícia maravilhosa! Quero agradecer a todos os envolvidos, em especial aos fãs. Passei minha carreira inteira surpreendendo as pessoas, então eis aqui mais uma”.

Seu mais recente trabalho foi o EP “Metal Knight”, lançado em 2014. “Associo o Heavy Metal à fantasia pelo tremendo poder que transmite”, explicou em um comunicado na época do lançamento.

The Bloody Verdict of Verden", aka "The Blood of the Saxon Men" belonging to the album "Charlemagne: By the Sword and the Cross" (2010) Symphonic metal version.. By Sir Christopher Lee


“Metal Knight” possui quatro canções e três versões alternativas das mesmas. Duas delas sendo originais do musical “O Homem de La Mancha”: “I, Don Quijote” e “The Impossible Dream”. “Don Quixote é o personagem de ficção mais heavy metal que conheço”, explicou Lee. As outras faixas eram “The Toreador March”, da ópera “Carmen”, de George Bizet, e “My Way”, popularizada por Frank Sinatra.


SIR

Em 2001, Sir Christopher Lee foi nomeado Comandante da Ordem do Império Britânico por seus serviços como ator e, em 2009, foi nomeado Cavaleiro por seus serviços como ator e filantropo.

Recebendo o título de "Cavaleiro do Império Britânico" do Principe de Gales, Charles.


ATUALIZADO - PATRICK MACNEE - O ETERNO VINGADOR

Patrick Macnee na série "Os Vingadores"
Aproveitando este post, esta Unidade de Carbono, também homenagea o ator Patrick Macnee(1922-2015), falecido no último dia 25/06, também aos 93 anos. Daniel Patrick MacNee nasceu no dia 6 de fevereiro de 1922, em Londres. Seu pai era um jogador alcoólatra que teria perdido as economias da família, e sua mãe foi uma mulher que deixou o marido para viver com outra mulher. Patrick foi um adolescente problema que encontrou no teatro uma forma de se expressar.

Após a 2ª Guerra Mundial, período em que serviu na Marinha, Patrick iniciou sua carreira profissional, atuando em montagens teatrais na Inglaterra e no Canadá. Ele se mudou para os EUA na década de 1950 onde, além do teatro, também atuou na TV, em programas de teleteatros e em episódios de séries.

Ao longo de sua carreira, ele foi visto em Alfred Hitchcock Apresenta, Rawhide, Além da Imaginação, Aventuras no Paraíso, O Homem de Virgínia, Smith & Jones, Galeria do Terror, Columbo, Matt Helm, Galactica, Vega$, O Barco do Amor, Casal 20, Magnum, Hotel, Culver Agente de Alto Nível/Lime Street, O Teatro de Ray Bradbury, Sonhando Acordado, Assassinato por Escrito, Coach, Kung Fu: a Lenda Continua, Diagnosis Murder, Family Law e Frasier, entre outros.

Ao lado de Roger Moore (James Bond) no filme "007 na Mira dos Assassinos" (86)
 
O sucesso veio, ao menos na TV, quando foi convidado a estrelar Os Vingadores, série que marcou sua época e influenciou o surgimento de outras produções. Nesta época, MacNee estava morando no Canadá onde, afastado da carreira de ator, trabalhava como produtor. Por esta razão, recusou o convite para interpretar Steed. Para conseguir convencê-lo, os produtores triplicaram seu salário.

Como Doutor Watson junto com o ator Roger Moorer em " Sherlock em Nova Iorque" (76)
 
Era dele a voz de abertura do seriado clássico "Galactica - Astronave de combate". Macnee foi companheiro de Sir Christopher Lee nas produções Sherlock Holmes the Golden Years, que originaram duas mini-séries da TV britânicas : “Sherlock Holmes: Assassinato na Ópera”(1991) e “Sherlock Holmes: O Incidente em Victoria Falls”(1992). Foi a segunda vez que ele interpretou o Doutor Watson, a primeira foi no telefilme "Sherlock Holmes em New York"(1976), fazendo parceria com o então James Bond, Sir Roger Moore, como Sherlock. O próprio Macnee viveu Sherlock no telefilmes " The Hound of London"(1993) e no  documentário para a TV " In the Footsteps of Sherlock Holmes"(2000).

 Abertura do seriado "Galactica - Astronave de Combate" (1978) com narração de Macnee

Igualmente a Sir Lee, MacNee também atuou como vilão de James Bond, no filme "007 Na mira dos assassinos", contracenando novamente com Sir Moore.


Agora Sir Lee e MacNee farão parte do panteão celestial divino. Ele foi um Homo Evolution !!!




Fontes :





IMDB