quarta-feira, 16 de novembro de 2016

THE STARLOST – A ESTRELA PERDIDA


"The Starlost" ou "A Estrela Perdida" foi uma série canadense de televisão de ficção científica criada por Harlan Ellison e produzida por Douglas Trumbull, através da Glenn-Warren Production, em associação com a Twentieth Century Fox Television, com direção de Francis Chapman e Bill Davis. O seriado foi apresentado originalmente no Canadá, pela CTV, entre 14 de setembro de 1973 a 8 de fevereiro de 1974, num total de apenas 16 episódios, de aproximadamente 60 minutos cada. Nos Estados Unidos foi exibida em syndication. Em 1974, a Rede Globo de televisão exibiu o seriado no Brasil.


Abertura da Rede Globo - Brasil (1974)

PREMISSA:

TERRA NAVE - ARCA

Em 2285, O planeta Terra está com todos os seus recursos naturais esgotados e a vida ali tornou-se impraticável. Seus dias estão contados. Então a humanidade decide construir uma nave gigante chamada "Ark" (como a Arca de Noé da Bíblia, só que transformada em uma nave espacial), parte da Terra em direção ao espaço profundo com seus sobreviventes. Sua missão, levar tudo o que sobrou do planeta, para um novo mundo, onde a civilização poderá reiniciar sua saga em busca de conhecimento e sobrevivência. A nave Ark, além de levar plantas, tecnologia, animais e ecossistemas, leva também seres humanos de diversas origens e culturas. Como a nave é gigantesca de 11 mil quilômetros de comprimento, com a capacidade de abrigar várias culturas e ecossistemas do planeta Terra em a viagem durará séculos, com povos de cultura variadas que vivem em diferentes ambientes de biosferas auto-suficientes. Em algumas biosferas a cultura terrestre desapareceu completamente. Ocasionalmente, eles são ajudados pelos sistemas de computação da nave. Várias comunidades que viviam nas cúpulas começaram a desenvolver sua própria maneira de viver criando para eles uma nova forma de sociedade. A maioria dos habitantes vivem em castas, dentro de abobadas gigantes e geralmente não se encontram, vivendo independentes entre si por várias gerações e em muitos casos, estes sobreviventes nem sabem que existem outras culturas a não ser a própria. Apenas o alto comando da nave, sabe sobre as culturas de cada uma das biosferas.



A Ark inicia sua viagem no ano de 2285, mas, logo no início, ocorre um acidente e toda a tripulação que se encontrava na área de comando é morta, deixando a nave vagando sem rumo pelo espaço, sem que ninguém das culturas saibam o que realmente está acontecendo. Quando um encontro acidental ocorre, há possibilidade de confrontos. A nave tornou-se um mundo artificial, cheio de perigos e animais que devido à mudança de ambiente apresentam alterações genéticas, como aumento de tamanho. Existem abelhas gigantes e outros tipos de insetos mutantes perambulando pelos infindáveis corredores.

Devon e seus amigos descobrem a realidade - Tripulação Morta !!!


Séculos se passaram. O ano agora é 2790. Uma nova geração de sobreviventes ignora que vive em uma espaçonave e segue com suas vidas. Na colônia "Cypress Corners", um jovem, Devon (Keir Dullea), vive em uma comunidade Amish. Ele se apaixona por Rachel (Gay Rowan), que está prometida a Garth (Robin Ward). Mas este não a ama. Quando Devon revela seu desejo em desposar Rachel, ele é expulso da comunidade por tentar destruir suas tradições. Vagando sem rumo, ele acaba encontrando a cabine de comando da nave onde um computador revela a verdade à Devon. Para piorar a situação, ele descobre que seu “mundo”, a Arca, está em rumo de colisão a uma estrela. Ele tenta avisar seu povo, mas apenas Rachel e Garth acreditam nele. Se o seu curso não for mudado, todos morrerão incinerados pelas altas temperaturas dessa estrela. O grande desafio é como alterar a rota dessa super-nave e onde se encontra sua central de comando. O trio então parte em cada uma das redomas-culturas para avisar do perigo em busca de pessoas que possam ajudar a desviar a nave, mas como acontece geralmente, ninguém acredita e eles passam a ser perseguidos de cultura em cultura e o tempo começa a se esgotar, pois em breve a nave será destruída e ninguém sobreviverá....


Atrizes bonitas pra ajudar a alavancar a audiência



A ideia era apresentar na série as diferenças culturais, sociais e religiosas em contraste com a tecnologia e a ciência. 

PRODUÇÃO:

Criada pelo aclamado escritor premiado de ficção-científica Harlan Ellison para a 20th Century Fox americana, a série teve sérios problemas de produção que fizeram com que ela fosse parar no Canadá. Tudo começou quando o então produtor da unidade de TV da Fox, Robert Kline (na época a Fox ainda não tinha um canal de TV próprio), convidou Harlan Ellison (que já havia criado roteiros fantásticos para séries de TV como Jornada na Estrelas, Rota 66, The Alfred Hitchcock Hour, entre outros) para criar uma ideia para uma série de ficção científica de TV, consistindo de oito episódios, para lançar com a BBC como uma co-produção em fevereiro de 1973. A BBC rejeitou a ideia. Incapaz de vender a futura série para horário nobre, Kline decidiu prosseguir com uma abordagem de baixo orçamento e produzi-lo para a syndication. Em maio/73, Kline havia vendido a ideia a 48 estações da NBC e à rede canadense CTV.

Harlan Ellison

Assim, ela foi parar no Canadá, onde era necessário utilizar apenas a equipe técnica e os produtores do país, sem a participação (ou participação mínima) dos americanos. A série foi produzida em parceria com a Fox que ficou com os direitos de distribuição. Para obter subsídios do governo canadense, a produção foi filmada no país com escritores canadenses responsáveis pela modificação da estória original de Ellison. Sem poder filmar nos EUA, perderam parte do patrocínio que tinham, forçando cortes no orçamento. Com isso, ao invés de se filmar em película, foi gravada em vídeo. Os cortes também provocaram redução de cenários e figurinos além dos efeitos especiais. Os problemas não pararam ai. Antes que Ellison pudesse começar a trabalhar na Bíblia de produção do show, uma greve de escritores começou, de 6 de março a 24 de junho de 1973. Kline negociou uma exceção com o Writer's Guild, com base no fato de que a produção era totalmente canadense - e finalmente Ellison foi finalizar a bíblia para a série.

Desenho produção da nave ARCA

Além de Ellison, a Fox trouxe para ser o Produtor Executivo da série, o aclamado Douglas Trumbull, um dos diretores de efeitos-especiais mais importantes de Hollywood (2001 - Uma Odisseia no Espaço, Contatos Imediatos do 3° , Blade Runner) além do escritor de ficção-científica e amigo de Ellison, Ben Bova, como supervisor científico da série. Harlan Elison queria vários escritores amigos trabalhando em Starlost, mas a ideia foi rejeitada pela produção devido ao acordo com o governo canadense, para obter os subsídios prometidos.

Novo problema foi com o produtor Trumbull. A ideia dele seria filmar os efeitos especiais com uma nova técnica de filmagem que ele havia desenvolvido, o Magicam. Mas devido as limitações do estúdios canadenses, a ideia não funcionou e infelizmente ela não pode ser usada e o desenvolvimento do efeitos especiais ficou bem abaixo do esperado, o que fez Trumbull a se afastar da parte criativa da série, mas não pode remover seu nome da produção.


Antes mesmo de estrear pelo canal canadense CTV, e posteriormente pela NBC, Harlan já tinha se desiludido com a série devido aos problemas e se afastou da produção. Não conformado, pediu que retirassem seu nome dos créditos o qual foi substituído por um pseudônimo. E, assim, a série foi creditada à Cordwainer Bird. Apesar do nada promissor, o tema era muito bom e extremamente inovador para a época. Talvez por isso não tenha conseguido um canal que apostasse de imediato na ideia. Posteriormente Harlan disse que esta série havia sido "os 6 meses que perdi na minha vida".


Vídeo de produção com o ator  Keir Dullea e o produtor Douglas Trumbull

ELENCO: 

Com a presença dos renomados Harlan Elison e Douglas Trumbull na produção de STARLOST, os produtores correram para ter também um nome de peso no elenco e que pudesse chamar a atenção para a série. O escolhido foi o ator Keir Dullea, que a poucos anos antes havia vivido o astronauta David Bowman no aclamado filme de ficção-científica, "2001 - Uma Odisseia no Espaço "(cujo produtor Trumbull havia trabalhado nos efeitos especiais). A princípio o ator recusou o convite, porque queria se envolver apenas com cinema e não TV e não ficar marcado com ficção-científica após "2001". O ator estava tentando arrumar trabalhos cinematográficos nos Estados Unidos , Inglaterra e Canadá. Devido aos poucos convites, ele acabou aceitando ser o ator principal que interpretaria o personagem Devon. O elenco foi completado com os atores canadenses, Robin Ward que seria o galã Garth e a atriz Gay Rowan para viver a mocinha Rachel, o interesse romântico de Devon.

Keir Dullea (Devon), Gay Rowan (Rachel) e Robin Ward (Garth)

Além dos atores fixos, também fizeram parte da série como atores convidados, Walter Koenig, de “Jornada nas Estrelas”, John Colicos, de “Galactica”, e Barry Morse, de “Espaço:1999″ e “O Fugitivo”. A produção também fez uso de atrizes bonitas com vestuário sexy para chamar mais a atenção da audiência.

John Colicos e Barry Morse - atores convidados
Walter Koenig de Star Trek como convidado em dois episódios

 EPISÓDIOS:

01 - Voyage of Discovery
02 - Lazarus from the Mist
03 - The Goddess Calabra
04 - The Pisces
05 - Children of Methuselah
06 - And Only Man is Vile
07 - Circuit of Death
08 - Gallery of Fear
09 - Mr. Smith of Manchester
10 - The Alien Oro
11 - The Astro Medics
12 - The Implant People
13 - The Return of Oro
14 - Farthing´s Comet
15 - Beehive
16 - Spece Precinct


FIM DA SÉRIE :

Apesar de todos os esforços, o espetáculo é considerado por uma grande parte dos autores e críticos especializados como a pior série de ficção científica já produzida. Segundo estes autores, o espetáculo teve bons roteiristas, mas alguma coisa não funcionava direito e foi abruptamente cancelada após 16 episódios. As filmagens dos episódios aparentavam mais peça teatral ou uma novela feita em estúdio e não possuíam aquela dimensão das cenas de cinema, como acontece nas outras séries. Apesar do programa não ser de agrado dos críticos, ainda assim existem muitas comunidades que são fãs ardorosos do seriado, haja vista a quantidade de sites na Internet direcionada para esta série. A série hoje é cult.

O fim da série, deixou a mesma sem um final definido. A pergunta que muitos fãs fazem até hoje, mais de 40 anos depois do fim da série...O que aconteceu com a nave-terra Arca ? Ela colidiu com a estrela ? Os mocinhos conseguiram desviar a tempo ? Os humanos conseguiram chegar a  seu destino ?  A resposta nunca foi respondida. A verdade é esta, não existe um final.


ROTEIROS NÃO FILMADOS:

A série chegou ao fim com 16 episódios produzidos, mas ainda havia 2 episódios já roteirizados, de um total de 22 episódios que uma temporada necessitava para fechar. A descrição destes episódios não filmados fora publicada na revista "Starlog Photo Guidebook TV Episode Guides Volume 1" (1981):

"God That Died" - roteiro John Meredyth Lucas, estória de Alan Spraggett.

Neste roteiro, o trio principal é pego por uma onda violenta de água de uma tubulação que estourou do sistema de resfriamento da nave. Eles acabam caindo em um habitat verde idílico, onde os habitantes vivem sob o proteção suave de um ser supremo que eles chamam de O DOADOR. Mas Devon, visitando o topo da montanha onde o Doador permanece, descobre que o mesmo não é um deus, mas um ser sensível em forma diferente - uma massa vaporosa luminescente de íons que ordenou e dirigiu a vida de "seu" povo por séculos. Garth e Devon, tentando convencerem o povo deste habitat, mas acabam sendo acusados de blasfêmia e condenados à morte. Eles são salvos no último momento por Raquel, que intercedeu com o Doador em seu nome. O Doador os salva com sua última explosão de energia (ele tinha crescido mais fraco por anos) e morre - libertando assim as pessoas a viverem e crescerem sozinhas.


People of the Dark - roteiro George Salverson

Devon, Rachel e Garth descobrem uma biosfera em que as pessoas têm vivido literalmente no escuro desde o acidente para a Arca. Eles têm medo da luz e pode ser usado como uma arma contra eles. Sua sociedade, sem os recursos de livros ou de escrita, tornou-se um estado sem lei. Devon, Rachel e Garth são mantidos reféns por Prokto, um "Criador de luz", considerado um revolucionário. Ele é um personagem inventivo que secretamente redescobriu a "luz" e ensinou sua linda filha adolescente a "enxergar".


STARLOST E ALÉM...(LANÇAMENTOS POSTERIORES):

O escritor Ben Bova, consultor científico da série, lançou em 1975, o livro “The Starcrossed”, sobre os conturbados bastidores do seriado.


“The Starcrossed”

Bastante revoltado com o tratamento dado a sua ideia para a série, o escritor Harlan Elison junto com Edward Bryant, lançou em 1975, o livro "Phoenix Without Ashes", que era o título do piloto original da série que ele havia escrito, mas que a produção alterou totalmente. O livro retrata a versão fiel do roteiro de Elison. 
"Phonenix Without Ashes" livro

Em 2010, a editora de quadrinhos IDW Comics, lançou uma mini-série 4 edições de Phoenix Without Ashes",fiel as ideias de Elison.  Basicamente a história é a mesma, o que muda é o enfoque da trama. O que muda é que na série, deram ênfase a uma situação de Romeu e Julieta para Devon e Rachel, enquanto, no roteiro original, a impossibilidade deles se casarem fica em segundo plano. As capas são de John K. Snyder III e a arte das histórias são de Alan Robinson e Kote Carvajal.

"Phonenix Without Ashes" da IDW
Posteriormente, os episódios foram reeditados e lançados na TV a cabo e em VHS. Em 2008, produtora independente VCI Entertainment lançou no mercado o box "Starlost - Complete Serie", em quatro discos com os 16 episódios produzidos, pelo preço sugerido de 49.95 dólares. No material de Extras foi disponibilizado o vídeo produzido para ser exibido nas agências de publicidade e conquistar anunciantes/patrocinadores. Este video foi exibido uma única vez na TV quando a série estreou pela rede NBC e pela CTV no Canadá. No vídeo, Keir Dullea e Douglas Trumbull, apresentam a ideia de “Starlost” e o tipo de tecnologia que pretendem utilizar para transformar a ideia em realidade (assista acima). Não disponível no Brasil.


Série completa em DVD.



 STARLOST REMAKE

Em dezembro de 1999 foi informado que o escritor e autor original de Starlost, assinou um acordo com a Sony Pictures, para a produção de um filme para o cinema baseado em sua ídeia original do seriado de TV dos anos 70. O escritor David Goyer, seria o responsável pelo roteiro. Ele tinha acabado de escrever “Dark City”.

David Goyer, começou a desenvolver o script para o filme, com produção dele próprio Goyer e de Dan Murphy. Com produção da Angry Films. O diretor Rob Bowman, famoso por dirigir vários episódios do seriado "Star Trek : The Next Generation" e "Arquivo X" (incluindo o primeiro filme pra o cinema) , foi o escolhido para dirigir. O filme chamaria "GENERATION SHIP".

Infelizmente desde 2002, não houve mais qualquer informação sobre este projeto, e que se conclui que o mesmo deva ter sido cancelado.

O certo é que Hollywood copia muitas ideias e Starlost que pode ter servido de inspiração para outros filmes como o recente "Passangers" (2016) com Jennifer Lawrence e Chris Pratt com roteiro de Jon Spaihts. Durante uma viagem de rotina no espaço, dois passageiros são despertados 90 anos antes do tempo programado, por causa de um mal funcionamento de suas cabines. Sozinhos, Jim (Chris Pratt) e Aurora (Jennifer Lawrence) começam a estreitar o seu relacionamento. Entretanto, a paz é ameaçada quando eles descobrem que a nave está correndo um sério risco e que eles são os únicos capazes de salvar os mais de cinco mil tripulantes em sono profundo.

PIADA STARLOST (original foi publicada anonimamente em 2008 no Orkut, uma antiga rede social).
  
Parece que a Microsoft não sobreviveu ao século 23... Imaginem a cena em que Devon encontra o Projetor Esférico:



[Projetor] - Posso ajudar? Em que posso ser útil?
[Devon] - Quem é você?
[P] Eu sou o Internet Explorer versão 213.5 . Posso ajudá-lo?
{Devon toca a tela}
[D] Você é real?
[P] Sou o skin default de uma interface amigável para a rede, que tornará sua experiência de navegação mais fácil e divertida. Mais perguntas?
[D] Onde estou? O que é esse lugar?
[P] Antes de continuar, recomendo que você faça o seu cadastro em nosso sistema. Vai tomar apenas alguns instantes. Qual o seu nome?
[D] Devon.



[P] De que biosfera você vem?
[D] O que é biosfera?
[P] Ambiente. Mercado potencial para os produtos Microsoft.
[D] Bem, eu sou de Cypress Corners...
[P] Cypress Corners. Comunidade agrária. Biosfera HG3. Linguagem en-cy, teclado intergalactico 108 teclas, fuso horário +5, configuração automática de horário de verão. Se quiser mudar as configurações, consulte o manual da ARK.
[D] Ahn... ARK?
[P] Terranave ARK. No ano 2285, toda a tecnologia do planeta Terra era controlada pelo Windows e interligada em rede. Um travamento de proporções planetárias forçou os usuários a sair do planeta para rebootá-lo, mas o procedimento acabou causando o fim abrupto do planeta. A terranave ARK partiu levando todos os usuários que tinham licença do Windows, em busca de um novo mundo. Atualmente estamos no ano 2790, e todos os usuários que ainda estiverem usando o Windows XPRST devem atualizar para a nova versão XPTOW até o final do ano, quando a versão antiga perderá o suporte e a ARK colidirá com uma estrela classe G.
{Devon fica confuso}



[D] Você disse que a ARK vai colidir com uma estrela? Isso é, tipo, um Fim do Mundo e da Humanidade?
[P] Sim
[D] Ahn... Há algo que eu possa fazer?
[P] Sim. Entre em contato com o suporte técnico, pelo endereço... Pelo endereço...
[D] Que endereço???
[P] Sinto muito. Acabo de efetuar uma operação ilegal e serei desligado. Todos os seus arquivos serão perdidos.



Fontes: Wikipedia/Forum Trekbrasilis/ Starlog Magazine/ Orkut (piada anônima) / Mofolândia / Nova Temporada (Fernanda Furquim)

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

"The Adventures of Indiana Jones" - Patrick Schoenmaker



Depois de 5 anos de trabalho, finalmente Patrick Schoenmaker apresenta seu curta de animação, "The Adventure of Indiana Jones", na qual pretende chamar a atenção da Disney/Lucasfilm para a produção de uma série animada sobre o famosos arqueólogo aventureiro Indiana Jones.





Mais informações sobre este projeto, aqui:


segunda-feira, 19 de setembro de 2016

VANGELIS RETORNA COM O ÁLBUM “ROSETTA”




Alegria geral, o músico grego eletrônico, Vangelis, sai mais uma vez de sua caverna, para lançar um novo álbum, depois de uma década sem lançar nada inédito! Conhecido por ser quase um eremita e sempre fugindo de holofotes e da imprensa , mantendo sua vida particular sempre em privado, Vangelis acaba de lançar o álbum “Rosetta” pelo selo Decca/ Universal Music, em um dos lançamentos mais esperados de 2016. Baseado na missão espacial da sonda “Rosetta” da Agencia Espacial Europeia (ESA), que tinha por objetivo alcançar o cometa  67P/Churyumov-Gerasimenko, que viaja entre as órbitas da Terra e de Júpiter.

Astronauta André Kuiper e Vangelis

A ideia de um álbum com temática espacial nasceu em 2014, quando o astronauta holandês André Kuipers, conversou em uma vídeo chamada em orbita da Terra na Estação Espacial Internacional (ISS) diretamente com Vangelis, na qual o astronauta comentou ser inspirado na música do grego. Vangelis então compôs em Novembro de 2014, três peças musicais inéditas que foram usadas pela Agencia Espacial Europeia(ESA) em seus vídeos para celebrar aterragem da sonda Philae(módulo de pouso da Rosetta) sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko. Todos os três vídeos se tornaram "virais" instantaneamente.





Vangelis então retornou a este tema e compôs um álbum inteiro de músicas dedicado à missão Rosetta. O álbum inclui as três faixas originais (em suas versões completas) e mais dez novas e inéditas composições, que a Universal Music lançará nos formatos CD, LP de vinil e download digital / streaming.


"A Mitologia, a Exploração,a Ciência e o Espaço são temas que me fascinam desde a Minha infância. Na Verdade, eles sempre estão ligados a música que eu escrevo", disse Vangelis no release do álbum.

Todas as músicas do álbum “Rosetta” foram compostas e realizadas por Vangelis, usando seus sintetizadores. Ao contrário de álbuns como "Mythodea" e a trilha sonora original de "Alexander", ou algumas outras obras pós-milênio, este álbum não foi gravado com uma orquestra ou mesmo um coro. Enquanto o estilo da música é muito diversificada, o que mais se destaca é que Vangelis retorna à gravação de música distintamente eletrônica. Um gênero que foi em grande parte ausente de sua produção desde 1996.



“ROSETTA”  - Decca/Universal – Set/2016

1.
"Origins (Arrival)"  
4:22
2.
"Starstuff"  
5:14
3.
"Infinitude"  
4:30
4.
"Exo Genesis"  
3:33
5.
"Celestial Whispers"  
2:31
6.
"Albedo 0.06"  
4:45
7.
"Sunlight"  
4:22
8.
"Rosetta"  
5:02
9.
"Philae's Descent"  
3:04
10.
"Mission Accomplie (Rosetta's Waltz)"  
2:12
11.
"Perihelion"  
6:35
12.
"Elegy"  
3:06
13.
"Return to the Void"  
4:19





"Heaven And Hell Part 1", “Alpha”, “Beaubourg” entre outros, foram usados na trilha sonora do documentário de astronomia e ciências, “COSMOS”, criado e apresentado por Carl Sagan (1934 -1996). O próprio Vangelis teve seu nome homenageado em um asteroide do sistema solar pela IAU (União Internacional de Astronomia) , ele também foi responsável pela trilha sonora das missões da NASA “Mars Odyssey”(2001) e “Juno”(2013).

Um Electronic Press Kit (vídeo produzido para a imprensa em geral) foi lançado em setembro com o making of desta produção e entrevista com Vangelis em pessoa, além de astronautas e cientistas da ESA :
  



Um site oficial também foi aberto, com várias informações e trechos da músicas. Um fato interessante é a presença de um jogo estilo "Asteroide" para os fãs brincarem.



http://www.vangelisrosetta.com/



Vangelis é um conceituado artista e pioneiro da música eletrônica desde os anos 60, quando fez parte do grupo grego “Aphrodite's Child”(cujo um dos membros era Demis Roussos). Após o fim do grupo, Vangelis foi para Paris, trabalhar em trilhas sonoras para documentários e depois para Londres, onde compôs trilhas espetaculares para o cinema como “Carruagens de Fogo” (Vangelis recebeu o Oscar de Melhor Trilha Sonora em 1982), “Blade Runner”, “1492 – A Conquista do Paraíso”,” Lua de Fel”, “Alexandre” entre outros.


Timeline Missão "Rosetta" - ESA (2004 - 2016) musica Vangelis



Vangelis já é conhecido dos temas espaciais. Muitos de seus álbuns como “Albedo 0.39” possuem inspirações astronômicas. No início dos anos 80, vários de seus temas mais conhecidos, como : "Heaven And Hell Part 1", “Alpha”, “Beaubourg” entre outros, foram usados na trilha sonora do documentário de astronomia e ciências, “COSMOS”, criado e apresentado por Carl Sagan (1934-1996). O próprio Vangelis teve seu nome homenageado em um asteroide do sistema solar pela IAU (União Internacional de Astronomia) , ele também foi responsável pela trilha sonora das missões da NASA “Mars Odyssey”(2001) e “Juno”(2013).

Evolutions Vangelis !!!

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

INDIANA JONES PODERÁ VIRAR UMA SÉRIE ANIMADA...SE OS FÃS AJUDAREM !!!

Considerado um dos maiores heróis da história do cinema, o personagem Indiana Jones(criado em 1981 no filme "Os Caçadores da Arca Perdida")  poderá ganhar uma série animada…se a Disney aceitar a ideia de um conhecido cartunista holandês.  Patrick Schoenmaker, trabalha com cartoons e animação a muitos anos. Seus traços e desenhos, já foram usados e publicados por diferentes clientes como UNGA toys, Capgemini, KLM, IlLuster, Acme Archives, Topps, Cartoon Saloon, Sesamestreet e Lucasfilm. Ele é bastante conhecido por seus trabalhos nos cards de “Star Wars” e “Indiana Jones” publicados pela Topps.

Desde 2008, após a estreia do último filme , “Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal”, na qual foi um dos artistas escolhidos pela Topps, para fazer cards relacionados a Indy, na série, “Indiana Jones Heritage”, Patrick vem desenvolvendo por conta própria, o que seria uma animação baseada no personagem. A ideia inicial era apresentar um curta animado para a Lucasfilm e tentar vender uma ideia de uma série animada de TV do personagem querido, do mesmo modo que aconteceu com Star Wars e sua série animada "Clone Wars" e "Star Wars - Rebels".


Segundo Patrick Schoenmaker, ele levou a ideia para a Lucasfilm em 2011, mas infelizmente, devido a venda da empresa para o conglomerado Disney em 2012, toda a franquia de Indiana Jones, agora pertence aos novos donos e o projeto ficou parado. Recentemente a Disney/Lucasfilm, anunciou um quinto filme para o cinema, com a mesma equipe de sempre : Spielberg, Lucas, Harrison Ford, John Williams, mas este novo filme só será lançado em julho de 2019.
Poster teaser


Patrick não se deu por vencido, mesmo tirando o investimento do próprio bolso, lançará este curta metragem que ele espera virilizar entre os fãs do herói e chamar a atenção da Disney para que ele seja convidado a fazer sua animação. Ao longo dos anos , ele vem publicando desenhos desta vindoura animação, e convenhamos, o cara desenha muito bem. Não só o personagem Indy, mas também Sallah, Marcus, Prof.Henry Jones(pai), Short Round entre outros. E é claro, a aminação é livre de interpretações e não necessita ter exatamente um ator jovem ou velho para o papel, assim, Indy poderia facilmente voltar ao seu período de ouro , nos anos 30-40 e enfrentar os vilões favoritos dos fãs, os nazistas(uma das birras dos fãs com relação ao quarto filme).

Patrick Schoenmaker fala sobre isto:

"Indiana Jones deve ter sido meu primeiro verdadeiro herói de filme desde que eu assisti Os Caçadores da Arca Perdida em um videocassete quando criança. Sim, alguns outros heróis vieram e se foram, mas Indy sempre ocupou um lugar especial. Após o lançamento de Caveira de Cristal, o meu amor pelo personagem foi mais uma vez totalmente incendiado e sem novos filmes no horizonte naquela época, eu decidi criar um projeto de Indiana Jones do meu próprio bolso para manter o fogo queimando um pouco mais."


O ano de 2016 parece que trouxe novidades interessante, através de um poster teaser e outros desenhos, ele anunciou que sua animação: "The Adventures of Indiana Jones", será lançada no dia 29 de setembro de 2016. Fãs estão em expectativa após anos de espera para ver o resultado final e que isto seja apenas o início e acenda o sinal verde dentro da empresa do Mickey....Dedos cruzados..



.Evolution sempre ....Evolution Patrick Schoenmaker !!!


sexta-feira, 3 de junho de 2016

LOGAN’S RUN – O REMAKE QUE NUNCA SAI !!!


Para muitos fãs, o filme “Logan’s Run” (1976) é um clássico do cinema distópico dos anos 70, cujo sucesso levou a criação de um seriado baseado no filme com algumas modificações, mas de curta duração, igualmente cult. Baseado em um livro lançado em 1967, por William F. Nolan e George Clayton Johnson, o filme é uma ficção-científica, situada no ano de 2274, na qual a humanidade foi dizimada e os sobreviventes se fecharam em uma cidade cupular. Para manter o balanço populacional, os computadores que controlam o lugar decretaram que as pessoas devem morrer quando atingirem a idade de 30 anos (21 anos no livro original). Aqueles que tentam viver além deste limite são exterminados pelos sandman, espécies de policiais. Um deles, Logan, recebe a missão de encontrar o “santuário”, que é o local onde os fugitivos da cidade se escondem. Em sua busca, Logan começa a questionar o sistema e muda de lado quando descobre que existe vida além do que o fizeram acreditar. Para piorar, ele tem 29 anos e está próximo de sua sentença de morte. Filme foi vencedor do Oscar de melhor Efeitos Especiais em 1977, além de ser o melhor filme de ficção científica no mesmo ano pelo Saturn Awards, ganhando mais 6 indicações. No elenco Michael York, Jenny Agutter, Farrah Fawcett e a participação especial de Peter Ustinov.

Jenny Agutter(Jessica 6) e Michael York(Logan 5)


O seriado baseado no filme foi lançado em 1977 até 1978, e teve apenas 14 episódios, não se completando nem uma temporada completa. No elenco Gregory Harrison, Heather Menzies e Donald Moffat. Exibido originalmente pela rede CBS e transmitido no Brasil nos anos 70 e 80 pela Rede Bandeirantes de TV.

Seriado dos anos 70 "Logan's Run - Fuga das Estrelas"
 Donald Moffat, Heather Menzie e Gregory Harrison

A ideia de sociedades distópicos está muito em moda hoje em dia, com filmes de franquias como "Jogos Vorazes", "Maze Runner" e "Divergente", e é claro, a possibilidade de se fazer um remake de Logan's Run, nos dias atuais, são grandes, mas o que tem gerado muita dor de cabeça na Warner Bros a quase 30 anos, que eles tentam tirar o projeto da gaveta e desenvolver o mesmo para que seja um sucesso. Muitos fãs, apesar de concordarem que o filme original é cult, acham boa a ideia de remake, pelo fato do filme de 1976, ter envelhecido muito mau, com todo aquele visual totalmente superado de uma comunidade shopping-center. Em verdade, várias cenas do filme, foram filmadas dentro de um shopping center moderno dos anos 70.

O remake começou a ser planejado inicialmente pela Warner Bros, em meados dos anos 90 (1995 ou 1996). Sem um roteiro satisfatório e sem um elenco definido, o projeto foi levado a banho-maria até chegada do novo milênio.

Por volta de 2000, o projeto do remake foi passado pela Warner para um dos seus produtores mais criativos, Joel Silver (responsável pela cine-série Duro de Matar, Máquina Mortífera e Matrix). Silver contratou o diretor e roteirista Skip Woods para desenvolver o filme. Woods, chegou a conversar pessoalmente com o escritor William F. Nolan, para o desenvolvimento da ideia do novo filme. Segundo o próprio Nolan em entrevista, Woods (um grande fã do livro original) iria desenvolver o filme muito mais próximo ao romance original escrito por William F. Nolan. Entre as ideias que estariam no remake e que foram deixadas de fora do filme original estaria retornar a idade limite para 21 anos, os aspectos positivistas do livro, mostrando a degradação da sociedade ao longo do tempo, um Santuário real para Jessica e Logan, apresentar a "homer", a bala destruidora de nervos que acertava as vítimas através do calor do corpo, Crazy Horse, o mundo subterrâno, substituir a cidade domo por um complexo high-tech, igual descrita no livro. Todas idéias deixadas de fora pelos estúdios MGM, quando desenvolveu o filme original de 1976. Woods foi convidado por Silver não apenas para roteirizar o novo filme, mas também dirigir. Se esperava que a produção chegasse ao cinema em 2002.

O certo é que Skip Woods, começou a receber e desenvolver outros trabalhos também. Em 2001, ele lançou "A Senha - Swordfish", e depois passou a trabalhar nos roteiros para a saga X-Men e Duro de Matar no cinema.

Em 2001, Woods, falou que havia terminado o primeiro esboço do roteiro, para ser apresentado aos executivos da Warner. Pelo visto a Warner não deve ter gostado.

Em 2002, a Warner Bros adiou o lançamento do filme para 2004!

Em2003, começam a surgir rumores de que o projeto do remake estaria passando para outra pessoa, o diretor Bryan Singer da cine-série X-Men. Woods poderia ter seu roteiro rejeitado.


Em Março de 2004, a Warner e o produtor Joel Silver confirmam que Bryan Singer foi contratado para desenvolver o novo remake de Logan's Run. Singer iria reduzir a idade-limite para 21 anos, que é a usada no livro original, escrito por William F. Nolan e George Clayton Johnson. Por isso, esperava-se um jovem ator para interpretar o protagonista. Rumores falavam em Matt Damon. O roteiro seria escrito por Singer, em parceria com os iniciantes Ethan Gross e Paul Todisco.Com isto o projeto desenvolvido por Wood foi rejeitado.

 “Eu fui atraído por X-Men por causa de suas questões universais de tolerância. [Logan’s Run] lida com uma sociedade utópica, mas também com a obsessão de juventude e mortalidade”, disse o cineasta à Variety.

Joel Silver (Matrix) produz o projeto para Warner Bros. e explica porque Singer foi escolhido: “O livro contém uma grande idéia para um filme e Bryan encontrou um jeito de voltar a ele e usar suas habilidades técnicas para fazer um grande longa de aventura e ficção-científica”. Para trazer o mundo concebido por Nolan e Johnson para as telas, Singer vai contar com o estilo visual de Guy Dyas, seu designer de produção em X-Men e X-Men 2. A Warner remarcou o lançamento de Logan’s Run para 2005.



Em Junho de 2004 foi informado na imprensa que as filmagem de Logan’s Run, que já está com um estúdio em Vancouver esperando para receber a produção, iriam começar naquele ano. A reserva vai de setembro de 2004 até o mesmo mês em 2005. As gravações devem acabar em torno de abril, quando o local passa a ficar à disposição para Singer refazer algumas cenas, se for necessário.


Em Agosto de 2004, houve uma reviravolta. Bryan Singer teria adiado o início da produção de Logan's Run para dirigir "Superman - O Retorno".  A refilmagem deveria ficar pra depois desta produção. E rumores indicavam que  Henry Cavill (O Conde de Monte Cristo) no papel de Logan, o policial que se rebela contra o sistema. Coincidentemente, o ator também era apontado como o futuro Clark Kent(o que realmente aconteceu apenas no outro filme do Superman anos depois).


Em Fevereiro de 2005, conversando com o site About.com, o produtor Joel Silver revelou que Bryan Singer chamou seu parceiro em Os Suspeitos e vencedor do Oscar, Christopher McQuarrie, para reescrever o roteiro de Logan’s Run.  Segundo Silver, os dois estão trabalhando no script e a intenção é começar as gravações assim que Singer estiver liberado de Superman. Não há nenhuma novidade sobre o elenco. O lançamento foi remarcado para 2007, durante o verão americano (entre maio e agosto).

Em Março de 2005,de acordo com o site Dark Horizons, o ator Nicolas Cage anda dando dicas de que pode estrelar a refilmagem de Logan’s Run. Ele iria conversar com o diretor Singer, sobre um futuro projeto com ele . Ele disse em uma rádio australiana que era fã de Logan's Run, mas não especificou que projeto futuro iria trabalhar com Singer, que começaria as filmagens de Logan's run assim que terminasse o filme do Superman.

Em maio de 2006, segundo a Variety, Singer poderia deixar a produção de Logan's Run , pois a Warner Bros. quer dar início às filmagens do remake no segundo semestre, o que deixaria Singer com pouco tempo para descansar de seu trabalho em Superman – O Retorno. As coisas se complicam ainda mais se o filme do Homem de Aço corresponder às expectativas e estourar nas bilheterias: a Warner planeja fazer a continuação em 2007, novamente com Singer na direção. Assim, o cineasta estaria se dedicando a três grandes produções consecutivas, sem dúvidas, uma tarefa estafante. Se não for dirigir, Bryan Singer ficará como produtor. De acordo com rumores, quem pode comandar o filme em seu lugar é James McTeigue, que estreou na função este ano com V de Vingança.

Em junho de 2006, Bryan Singer confirmou ao Dark Horizons que não dirigirá a refilmagem de Fuga do século 23 (Logan´s Run, 1976). Pelo menos não agora. É provável que a Warner deixe o filme para outro diretor, já que deve poupar Singer para a continuação de Superman... mas isso vai depender da bilheteria e da decisão do cineasta assumir ou não o projeto. "No momento quero descansar a cabeça", disse. "Fazer Superman foi um stress monumental e agora tenho uma longa turnê promocional dele pela frente - algo que estou empolgado em fazer já que me orgulho muito do resultado. Eu gostaria de fazer Logan´s Run no futuro, mas ele também será gigantesco, então prefiro descansar".

Em maio de 2007, o diretor de comerciais Joe Kosinski pode ser o substituto de Bryan Singer no comando da ficção-científica Logan`s Run, segundo informou o site IESB. Singer se desligou da função porque existiam conflitos entre a sua agenda e a do projeto. Ainda de acordo com a fonte, o produtor Joel Silver quer que Jayson Rothwell (Segundo em Comando) e Travis Beacham (Dog Days of Summer) escrevam o roteiro da produção.

Em julho de 2007, novo problema para a Warner. O produtor do filme, Joel Silver, falou ao SciFi Wire que não conseguiu achar ainda um nome para o lugar de Singer. Joseph Kosinski e James McTeigue (V de Vingança) haviam sido cotados, mas não fecharam contrato. Desde a saída de Bryan Singer, a Warner Bros. já procurava um substituto, mas a procura não tem rendido bem.

Em agosto de 2007, a Warner anunciou que fechou com Joseph Kosinski, substituindo Bryan Singer, que agora não deverá ter qualquer ligação com o projeto.  O roteiro foi reescrito por Tim Sexton (Filhos da Esperança). Segundo o The Hollywood Reporter, a nova versão será mais fiel ao livro do que o longa de 1976, focalizando temas como o “bem maior” e pessoas que se devotam cegamente a uma ideologia. Os conceitos dos fugitivos, do Santuário e das gangues fora do sistema foram mantidos. O filme usará uma cenário futurista, mas a ambientação não terá aspectos de alta-tecnologia.
Não foi divulgada a previsão para o início das filmagens, mas, como Kosinski não tem outros projetos em vista, ao contrário de Singer, a produção não deve demorar tanto para começar agora.
O diretor estreante (que antes só havia feito comerciais para empresas como Nike, Apple e Nintendo) conseguiu o emprego depois de apresentar aos executivos da Warner uma pré-visualização com seqüências animadas, mostrando o estilo que ele pretende usar no longa.

Em Janeior de 2009, más notícias para os fãs do longa Logan`s Run, que esperavam ansiosamente pela refilmagem. Em uma entrevista ao jornal Los Angeles Times, o diretor Bryan Singer revelou que o remake pode não acontecer nunca. Ele declarou que neste momento está dando uma pausa depois de quatro anos envolvido em minisséries, televisão e cinema e que não pensa em retomar a refilmagem depois de todo trabalho que já fez envolvendo o longa. "Só iria retomar o trabalho se estivesse completamente comprometido com ele", declarou Synger.

A contratação de Kosinski não avançou no projeto pois se comprometeu na realização da sequência de Tron. A fonte chegou a entrar em contato com Silver, que não deu nenhuma resposta definitiva sobre o projeto


Em Março de 2010, uma década completada, a refilmagem de Fuga do Século 23 (Logan's Run, 1976) que Bryan Singer originalmente dirigiria, e depois passou pelas mãos de Joseph Kosinski, está trocando de diretor de novo. Carl Erik Rinsch, genro e protegido de Ridley Scott, negocia para pegar o remake. Conhecido por seus comerciais Rinsch já teve seu nome associado ao prelúdio de Alien, ao remake de O Monstro da Lagoa Negra e X-Men: First Class. A ideia é começar Fuga do Século 23 assim que Rinsch rodar o filme de samurai 47 Ronin para a Universal. O roteiro do remake é de Tim Sexton.

Em Junho de 2010, projeto agora acha um novo roteirista. Segundo o Hollywood Reporter, Alex Garland, conhecido por escrever os filmes de Danny Boyle, como Extermínio e Sunshine - Alerta Solar, escreverá o novo Logan's Run. A ideia é deixar o filme de 1976 de lado e voltar ao material original, o romance de William F. Noland e George Clayton Johnson.

Em Novembro de 2010, diretor sai do projeto. E agora o filme volta à pauta para anunciarmos o desligamento de Rinsch do projeto. O diretor de comerciais cobiçado por Hollywood depois de fazer o curta-metragem The Gift abandona o remake da Warner Bros. para tocar 47 Ronin para a Universal, que está em estágio mais avançado - o projeto já tem uma data de estreia (21 de novembro de 2012) e artes conceituais prontas, além de Keanu Reeves contratado para protagonizar o épico baseado em uma história do Japão do século 18 em que um grupo de samurais vinga a morte de seu mestre.
A ideia inicial era mesmo esperar Rinsch acabar 47 Ronin, mas os produtores Joel Silver e Akiva Goldsman se empolgaram com o roteiro de Alex Garland (Extermínio e Sunshine - Alerta Solar) e querem começar o quanto antes a rodar as câmeras. Bom, antes de mais nada vão ter que achar um novo diretor.


Fevereiro de 2011, a refilmagem de Fuga do Século 23 (Logan's Run, 1976), que já tinha passado pelas mãos de Bryan Singer, Robert Schwentke, Joseph Kosinski e Carl Erik Rinsch, ganhou um novo diretor: Nicolas Winding Refn, de Bronson e O Guerreiro Silencioso. Para protagonizar o filme, a Warner Bros. está finalizando negociações com Ryan Gosling, ator que trabalhou com Refn no longa mais recente do diretor dinamarquês, Drive, que chega aos cinemas dos EUA em 16 de setembro. As filmagens começariam entre setembro e outubro.


Outubro de 2011, o projeto do remake de Logan''s Run está se desenvolvendo há mais de uma década e já teve inúmeros diretores e roteiristas envolvidos. Mas, aparentemente, dessa vez o filme realmente parece estar acontecendo. O Hollywood Reporter anunciou hoje que um novo roteirista foi contratado para o longa. A Warner Bros. contratou o estreante Andrew Baldwin - que escreveu dois roteiros ainda não produzidos The West is Dead e Red Asphalt - para roteirizar o longa. O remake terá Nicolas Winding Refn na direção e Ryan Gosling como protagonista. Refn já disse em declaração anterior que não quer fazer um mero remake, e sim fazer uma nova história. Para ele, o problema que sempre impediu o projeto de sair do papel foi justamente a tentativa de fazer um mero remake. Segundo o cineasta, o filme de 1976 está datado, no sentido de que tudo que ele mostra ter virado realidade. Sua proposta é utilizar o conceito original (uma sociedade em que não se pode viver além de determinada idade) e repensar tudo a partir daí. A dupla Refn e Gosling também estão juntos em Drive, que chega aos cinemas em janeiro de 2012, e em Only God Forgives, que se passa na Tailândia e deve começar a ser filmado ainda neste ano.


Outubro de 2012, nova perda da produção. Ryan Gosling estrelaria, repetindo a parceria de Drive e do inédito Only God Forgives, acaba de perder o protagonista. Segundo a Variety, Gosling está deixando o projeto, sem especificar uma razão. Por enquanto, Refn continua ligado ao filme da Warner Bros. Ainda não há data para o início das filmagens.


Em Junho de 2013, Ken Levine, criador do game Bioshock,  foi contratado para  escrever o roteiro do remake de Fuga do Século 23 (Logan's Run, 1976). Nicolas Winding Refn (Drive, Only God Forgives) continua ligado à direção do longa, de acordo com o Deadline.

Em outubro de 2013, falando ao site CINEMABLENDI, o diretor Nicolas Winding Refn, falando em uma entrevista, disse que seu projeto para a refilmagem de "Logan's Run" está morto ! Mas não confirmou seu desligamento do projeto. E falando ao site INDIEWIRE, ele disse que pulou fora do projeto por não ter controle total sobre a obra, em uma mega produção de estúdio.

Em abril de 2014, o desenhista de produção Ed Natividad, que trabalhou no projeto junto com o diretor Joseph Kosinski por volta de 2007, revelou algumas artes conceituais para o remake que acabou não avançando, pois Kosinski deu atenção aos projetos Tron:Legacy e Oblivion, que Natividad também trabalhou. Nas artes reveladas, podemos ver como seria o visual dos veículos de perseguição dos sandmans, que seriam usados no filme.

Arte conceitual não usada no filme que seria dirigido por Joseph Kosinski



Em abril de 2015, segundo o Tracking Board, o roteiro da nova versão está sendo refeito para incluir uma protagonista feminina no lugar de Logan. Feito originalmente por Michael York, o personagem seria vivido por Ryan Gosling, que abandonou o projeto do remake. Ken Levine, criador do game ‘BioShock’, assinou a última versão do script. Nicolas Winding Refn, que dirigiu Gosling em ‘Drive’, estaria ainda cotado para assumir o filme, mas o mesmo disse anteriormente que  o filme estava morto !


Em julho de 2015, Simon Kinberg, o roteirista de ‘X-Men: Dias de um Futuro Esquecido‘ e do reboot de ‘Quarteto Fantástico‘, assinou contrato com a Warner Bros. para escrever a história do filme. Ele trabalhará em cima do texto de Ken Levine, criador do game ‘BioShock’, que assinou a última versão do script.  Segundo o Hollywood Reporter, Kinberg também será produtor do filme, ao lado de Joel Silver (‘Duro de Matar’). O roteiro da nova versão está sendo refeito para incluir uma protagonista feminina no lugar de Logan. Feito originalmente por Michael York, o personagem seria vivido por Ryan Gosling no remake. Uma atriz deve ser escalada em breve.

Em novembro de 2015, em entrevista ao site Collider, o roteirista Simon Kinberg, disse que a Warner pensa no potencial de Logan's Run para iniciar uma nova franquia nos moldes de "Jogos Vorazes". Kinberg confirmou que o estúdio estava em conversa com vários diretores para assumir o projeto após o abandono de Nicolas Winding Refn. E trata o filme como prioridade. Perguntado se seu roteiro materia alguma coisa do original, ele respondeu que ama o original que a recriação daquele universo manterá muita coisa nele com uma nova reenterpretação.


Em junho de 2016, Ryan Condal, showrunner de ‘Colony‘, é o mais novo contratado da Warner para desenvolver a versão final do roteiro de ‘Fuga no Século 23‘. Ele vai trabalhar em cima do roteiro inicialmente desenvolvido por Simon Kinberg (‘X-Men’). Apesar de não assinar mais o roteiro, Kinberg virá como produtor executivo.


E assim, fica todo este lenga-lenga, disse me disse e parece que não existe uma luz no final do tunel para a produção começar. Vamos atualizar novas informações assim que possível. Então visitem sempre!

Atualizado em 03 Junho/2016


Fonte: cinema em cena / CinePop / Omelete