segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

VANGELIS NO QATAR - PARTE FINAL - O CONCERTO DE DOHA



No dia 11 de Dezembro, domingo, em Doha, capital do emirado do Qatar no Oriente Médio, ocorreu o 17° concerto da carreira do músico e pioneiro da música eletrônica, Vangelis, um grande evento épico para o público presente, constituído de lideres mundiais e diplomatas, que estavam presentes para o 4° Fórum Mundial da Liga das Nações Unidas, órgão ONU, responsável para manter um diálogo de paz e esperança entre os povos do planeta, principalmente os de origem muçulmana. O concerto foi um oferecimento do Emir do Qatar, H.H. Sheikh Hamad bin Khalifa Al Thani e sua esposa, H.H. Sheikha Moza. Entre os convidados, estava o Vice-Presidente da República do Brasil, Sr. Michel Temer e o Secretário Geral da ONU Ban K-Moon. O evento aconteceu na inauguração do anfiteatro da Katara Cultural Village, um centro cultural mantido pelo governo do Qatar.





O concerto começou pouco depois das 8 horas da noite, horário local. Cada convidado do evento ganhou um programa de concerto e um booklet com informações da Katara. Também havia um cobertor em uma mala e também um guarda-chuva. Felizmente, o tempo não decepcionou e as condições claras com uma ligeira brisa eram perfeitos para assistir ao concerto. O ator Jeremy Irons (A missão) foi o mestre de cerimônias e abriu o evento: "Esta é uma noite de grande significado. Neste céu estrelado, o público de todo o mundo pode ver a arte que conhecemos como comunicação global, que sustenta as diferenças humanas e o que eles têm em comum ". Vangelis permaneceu sentado durante todo o concerto no meio da orquestra tocando seus teclados e apoiando os músicos ali presentes. Ele foi bastante aplaudido no final do concerto, mas se recusou a descer para os comprimentos, pois estava com uma lesão em uma das pernas, motivo pela qual estava se apoiando em uma bengala. Mas, tentou mostrar nas três partes do concerto, "a necessidade de esperança" entre os povos do planeta.





Na "chamada", ou primeiro ato, a Orquestra Sinfônica do Qatar, regida pelo francês Yvan Cassar, que trabalha com Vangelis há quase 20 anos, "chama" os músicos étnicos do mundo inteiro tocando instrumentos como citara, didgeridoo ou o er'hu, a misturar improvisação com elementos do clássico europeu das cordas orquestrais, mantendo sempre a tentativa de simular o deserto. Um cantor árabe e um nativo americano, expressão cada um com sua música, a união dos povos.



No terceiro ato, o tenor italiano Roberto Alagna se junta ao palco para cantar junto com a soprano Gheorghiu (sua esposa), agora com casaco de lantejoulas e boina para os pés, a canção "Small Bohéme"(ou "Piccola Boheme"). A sequência são dois dos maiores sucessos de Vangelis, os temas principais de "Carriots of Fire" e "1492: Conquest of Paradise ". O grande final, e o mais aplaudido pelo público foi à apresentação do "Katara Hymn", cantado por cerca de 70 alunos da escolas internacionais em Doha, dedicado, segundo Vangelis, a toda humanidade em especial as crianças do mundo.



No palco, a iluminação foi impressionante, assim como as projeções de grande movimento no telão, que enfeitou todo o concerto, mas o foco permaneceu por uma grande parte na música(nova). Os efeitos foram marcados por alguns entalhes, no entanto, quando começou "Carriots of fire", e o show de luzes inacreditável decolou, combinando luzes em movimento ao redor do anfiteatro com mais luzes se movendo colocadas em um navio muito atrás do palco, nas águas do Golfo Pérsico. De certa forma, incorporando assim o Golfo para o show, com uma vela tradicionais do Qatar passando (intencionalmente) no momento certo. Estas luzes no fundo eram visíveis para o público, por meio da abertura de uma parte da tela, criando um tipo de arco com vista sobre o Golfo Pérsico. Estas luzes apontadas para o céu, que iluminavam vários quilômetros de distância sob a cabeça dos espectadores, desenhadas pelo designer de iluminação alemão Gert Hof, simbolizavam uma vela, à vela da esperança e uma mensagem de paz do planeta Terra. A idéia seria que estas luzes fossem captadas e fotografadas do espaço por satélites que passariam sobre o Qatar naquele momento.Um show pirotécnico realizado por vários barcos atrás do anfiteatro, ajudou a transformar ainda mais o clima alegre do concerto.



O lamentável foi apenas que muitas autoridades foram embora sem esperar o final do show, que não foi público, motivadas pelo frio da noite(mas a maioria havia ganhado cobertores). Para os fãs, Vangelis lamentou que devido à segurança do evento e a composição do público ser exclusivamente de autoridades e chefes de Estado, seu verdadeiro público que o seguem a anos tenham ficado de fora do evento e por isto atualmente, ele está se esforçando para organizar algo que pudesse fazer as pazes com eles no futuro curto.



A esperança agora, é que todo o material de vídeo gravado pelo cineasta Hugh Hudson se transforme em DVD e BluRay em breve para que o mundo possa sentir em casa, um pedaço desta emoção quase inédita. Segundo foi informado, este material está sendo preparado pelo selo DECCA(representada mundialmente pela UNIVERSAL MUSIC) e incluirá um making of com entrevistas de Vangelis e dos artistas participantes. E é claro, torcendo que Vangelis deixe a toca de vez e faça mais destes concertos pelo mundo, de preferência no Brasil.

2 comentários:

  1. Concerto no Brasil???? Se isso acontecer e eu for assistir, no dia seguinte compro o meu túmulo, pois depois de uma dessas, já poderia morrer em paz...

    ResponderExcluir
  2. Valeu pelos posts Edilson. Calma, não se mate ainda, quem sabe, ainda veremos o Jarre também.

    ResponderExcluir